Cristo: Nossa esperança em meio às tempestades

Autor: Autor Desconhecido




Texto:   MARCOS 4.35-41
 
As tempestades ocorrem repentinamente, e justamente quando não imaginamos, acabando por desafiar nossas vontades, nossos planos, etc e deixando-nos muitas vezes em desabrigo.
Existem vários tipos de tempestades, são as de ordem financeira, de ordem emocional e até de ordem espiritual. Às vezes pode ser aquela despesa fora dos planos, os problemas da vida, tais como familiares, emprego, etc. e outras vezes nosso arquiinimigo, o diabo, procura tirar nossa paz espiritual.
E a pergunta seria: como obter equilíbrio nestas horas quando as mesmas surgem do nada, repentinamente, e como livrar-nos dela?
 
Nesta meditação gostaria de afirmar categoricamente que a presença de Cristo nos é suficiente nos momentos de tempestades.
 
Mas porque a presença dele nos é suficiente?
 
Simplesmente porque Ele tem seus propósitos, age, e ao mesmo tempo é misericordioso quando passamos por essas tempestades.
 
I – O PROPÓSITO DE CRISTO EM MEIO ÀS NOSSAS TEMPESTADES
01) Pensemos nos discípulos que estavam com Jesus Cristo:
a)     eles estavam no cumprimento do dever, v. 35;
Diz-nos o versículo:
E, naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes: Passemos para o outro lado.
b)     eles estavam obedecendo uma ordem do mestre, v. 35, 36;
Diz-nos o verso 36:
E, naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes: Passemos para o outro lado.
E eles, deixando a multidão, o levaram consigo, assim como estava, no barco; e havia também com ele outros barquinhos.
c)      eles estavam testificando do mestre, v. 36;
E eles, deixando a multidão, o levaram consigo, assim como estava, no barco; e havia também com ele outros barquinhos.
02) Pensemos agora nas pessoas que estavam nos outros barcos e no mesmo mar:
a)     eles estavam vivendo uma vida normal;
b)     eles estavam trabalhando normalmente
03) Observem que ambos tantos os que estavam com Jesus Cristo como os que não estavam, passam por uma terrível tempestade.
O texto bíblico nos informa que repentinamente houve temporal tipo um furacão, ou rajada de vento e as ondas do mar se levantaram se jogando dentro do barco, v. 37:
E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia.
O barco começou a girar, tudo ficou escuro em alto mar e os discípulos perderam a esperança de serem livres da morte.
04) Mas qual o propósito de Cristo em meio à esta tempestade?
a)     Mostrar-nos que todos passam por aflições, mas com a diferença de que aqueles que tem Cristo com eles, mesmo em meio às tempestades lhes surgem uma alternativa: Jesus Cristo Cristo.
b)     Mostrar-nos sua divindade e humanidade, v. Lucas 8.23; Hb 4.15 e Mc 4.41.
O texto de Lucas nos informa que o mestre adormeceu, e exatamente de cansaço, e quando vamos para Hebreus 4.15 lemos:
Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.
Mas quando voltamos para Marcos 4.41, percebemos que Jesus Cristo era alguém diferente deles:
E sentiram um grande temor, e diziam uns aos outros: mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?
 
Portanto, a Bíblia nos informa que Jesus Cristo é Deus e Homem ao mesmo tempo. Quando Ele esteve aqui na terra, sofreu tanto como nós e venceu todas as tempestades da vida e como Deus nos aponta o caminho para vencê-las.
 
II – A AÇÃO DE CRISTO EM MEIO ÀS NOSSAS TEMPESTADES
Após o clamor desesperado e confuso dos discípulos, v. 38: Não é de importância para ti estamos perecendo, o que Jesus Cristo faz é repreender severamente o vento e o mar, v. 39.
E ele, despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve grande bonança.
01) A ação de Cristo transpõe às ações humanas
a)     quando esgotam nossas forças, acabando nossa tranqüilidade Jesus Cristo é nossa única solução.
02) A ação de Cristo desmorona tudo aquilo que aflige nossa alma.   
a)     No verso 39 Jesus Cristo diz ao mar: cala-te, aquieta-te;
Alguém pode dialogar com o mar? O que quer dizer isto?
Para Deus criar a natureza do nada, Ele falou e tudo se criou, da mesma forma Jesus Cristo fala ao mar, Ele é Deus.
Ao mesmo tempo Jesus Cristo dá uma ordem ao mar: cala-te. Esta palavra grega aparece 7 vezes no Novo Testamento e 2 vezes no Evangelho em Marcos. Na primeira vez que aparece neste evangelho, Jesus Cristo repreendia um demônio, calando-o, e aqui neste texto ele repreende o vento. Não está explícito no texto se esta tempestade foi provocada pela própria natureza, ou se foi provocada por Satanás, o qual tem usado a mesma para prejudicar as pessoas, conforme Jó capítulo 1, mas seja esta tempestade de origem natural ou demoníaca, Cristo tem poder sobre ambos, e se Ele está no barco de nossa vida, Ele desmoronará tudo aquilo que aflige nossa alma.
02) Em Cristo chegaremos são e salvos até nosso destino final.
a)     Qual é o seu destino, a sua rota?
 
Portanto, quando Cristo está presente em nossas tribulações, se clamarmos a Ele, Ele é poderoso o suficiente para agir em meio às nossas tempestades. O mais importante é estarmos nas mãos dEle, porque Ele sabe nosso destino e nossa rota.
 
III – A MISERICÓRDIA DE CRISTO EM MEIO ÀS NOSSAS TEMPESTADES
Gostaria de levantar a seguinte questão: Cristo tem a obrigação de abençoar pecadores?
Para responder a esta pergunta quero fazer algumas reflexões:
a)     O problema de querer vencer tempestades com as próprias forças clamando a Jesus Cristo somente depois de vencidos pela água, como nos diz o v.37:
E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia.
b)     O problema de uma oração mal-feita, na hora errada: Não é de importância para ti, estamos perecendo, este é o sentido do v.38:
Mestre, não se te dá que pereçamos?
c)      O problema da incredulidade justamente nos momentos das turbulências, v. 40, 41;
E disse-lhes: Por que sois tão tímidos? Ainda não tendes fé?
E sentiram um grande temor, e diziam uns aos outros: Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?
d)     O problema de estar com Cristo sem conhecê-lo completamente, 41;
E sentiram um grande temor, e diziam uns aos outros: Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?
e)     E finalmente, o problema do temor covarde capaz de conduzi-los ao desespero e derrota.
Evidentemente, que Cristo não tem nenhuma obrigação de abençoar pecadores, diante do exposto, concluímos que eles foram abençoados devido à sua misericórdia. Quando eles chegaram do outro lado, eles podiam sentir o quanto eram pecadores e que estavam lá porque Cristo foi misericordioso para com eles.
Novamente volto afirmar se pensarmos bem à luz destas reflexões, eles começariam a luta já destruída.
Mas se pensamos na misericórdia de Cristo, concluiremos que Ele foi tão gracioso, de tal forma que eles puderam chegar vitoriosos do outro lado.
 
Conclusão: (01) Que venhamos em nosso dia a dia incluir Jesus Cristo em nossos planos para que quando surgirem as tempestades possamos tÊ-lo conosco;
(02) Que venhamos também nestes momentos de tempestades, perceber o propósito de Jesus Cristo,   aguardar pela sua ação, e descansar em sua misericórdia, a sua misericórdia é a causa de não sermos consumidos. AMEM!


Compartilhe a BençãoEmail this to someoneShare on Google+Tweet about this on TwitterPrint this pageShare on Facebook

Comentários no Facebook